Não é possível erradicar as drogas. Isso é inquestionável. Devemos, porém, nos questionar até que ponto isso é, também, desejável. Defender uma sociedade completamente livre de drogas inclui abrir mão de todos os benefícios associados a essas substâncias. Além disso, é preciso ter em mente que uma sociedade com drogas não significa, necessariamente, uma sociedade que abusa das drogas.

A palavra droga traz em si o peso de uma conotação negativa que nem sempre é apropriada. Muitas drogas promovem a melhora da qualidade de vida. De fato, há drogas - como ansiolíticos, antidepressivos e analgésicos - que são as verdadeiras responsáveis pela manutenção das vidas de muitas pessoas. Ignorar isso é tratar o assunto de forma dogmática.

O uso abusivo de drogas, bem como o uso de drogas que não possuem comprovada aplicação terapêutica, são os principais motivos de associarmos as drogas a consequências negativas. Diferentemente das drogas que tem ação terapêutica, as drogas recreativas não são de uso recomendado. Porém, devido às sensações prazerosas que proporcionam, dificilmente deixarão de ter adeptos. Campanhas de prevenção e controle do uso de drogas são, em certo sentido, eficientes, mas não tem condições de extinguir o uso abusivo.

A sociedade sem drogas é uma utopia. A sociedade que faça uso responsável das drogas, ainda que com fins recreativos, é uma possibilidade. Não é uma possibilidade fácil nem rápida de se tornar realidade, mas é plausível o suficiente para justificar o investimento em campanhas e programas de prevenção, controle e até abandono desse abuso.

E você, o que acha?

1 comentários:

Anônimo disse...

a qe mudar mentalidades...........

Postar um comentário

Subscribe