18.4.11

O tálamo, esse desconhecido.

Postado por Marcus Vinicius Alves |

Um aspecto de fundamental importância no estudo psicológico é a relação do indivíduo com o ambiente, e tal relação depende intensamente de como sentimos e percebemos o meio em que vivemos. Enquanto a sensação pode ser compreendida como a codificação de estímulos externos por meio de receptores sensoriais, a percepção é a capacidade de organizar uma representação interna compreensível do mundo externo a partir destes estímulos codificados. Poucos se oporiam ao argumento de que, entre o estímulo físico externo ao corpo e a final compreensão deste estariam envolvidos órgãos que em sua estrutura possuem receptores que possibilitam a sensação do estímulo (i.e., papilas gustativas da língua, cones e bastonetes dos olhos etc.) e o córtex cerebral, interpretando os dados anteriormente codificados e enviados, fazendo-os alcançar à consciência. O que talvez ainda não faça parte do conhecimento geral é que, posicionado no encéfalo, está um componente muito importante para que todo o funcionamento desse processo se dê da forma mais assertiva possível, o tálamo.

O tálamo é constituído de duas massas de substância cinzenta, dispostas de cada lado, na porção látero-dorsal do diencéfalo, acima do sulco hipotalâmico. Suas duas grandes massas de tecido nervoso possuem um formato ovoide e são unidos pela aderência intertalâmica. A informação recebida a partir da excitação por estímulos do meio externo dos receptores sensoriais – células adaptadas para captar a energia física do meio ambiente e transformá-la em energia neural, um processo chamado transdução – segue para essa estrutura que serve de relé para os estímulos sensoriais.

Comumente chamado de “secretária do cérebro”, o tálamo reorganiza todos os estímulos sensoriais (com exceção dos olfatórios) e os traduz, os enviando para as suas devidas áreas corticais a fim de serem interpretados. Sendo assim, entende-se que sem ele, mesmo interpretar tais sentidos seria um empreendimento de grande dificuldade para o córtex cerebral. Além disso, há a compreensão de que, para algumas sensações, o tálamo ocupa um lugar ainda mais importante, por exemplo, quando a sensação é de dor, tato ou relacionada à temperatura, existe mesmo uma interpretação talâmica. Essa espécie de interpretação primária, mas de razoável influência, foi demonstrada em experimentos com pacientes que sofreram lesões em áreas corticais relacionadas com as sensações táteis e revelaram que, embora em tais casos as sensações táteis deveriam estar completamente ausentes, ainda havia uma pequena interpretação ocorrendo, sendo ela de dor, peso ou forma dos objetos. Havia claro, perda considerável dos detalhes que normalmente estão presentes nessas tarefas, mas o fato de haver uma percepção talâmica confirma ainda mais a importância dessa estrutura.

O tálamo possui diversas outras conexões que fazem com que ele tenha então funções diferentes das já citadas sensoriais. As outras funções mais conhecidas do tálamo se relacionam com a motricidade, tendo conexões em que transporta informações do globo pálido e do cerebelo para o lobo frontal, ao comportamento emocional – fazendo parte do sistema límbico – já que tem seus núcleos anteriores se relacionando com o hipotálamo e seu núcleo dorso-medial com a área pré-frontal, e mesmo participação no sono, tendo em vista que alguns de seus núcleos se projetam de forma difusa pelo córtex, se conectando ao sistema ativador reticular ascendente (SARA), importante para a regulação do sono e da vigília.

Os estudos de uma síndrome interessante permitiu revelar a importância do tálamo para os aspectos sensoriais que nos permitem extrapolar a partir do que é sentido do mundo real para o mundo percebido, conhecida como síndrome talâmica. A síndrome talâmica surge em decorrência de afecções do tálamo, geralmente fruto de lesões de vasos, o que reflete em um grande desnivelamento das sensações. Tais alterações dramáticas são geralmente sensações de dor espontânea e pouco localizada, que se irradia por toda a metade do corpo oposta à posição do tálamo comprometido. Apesar de mais difíceis, alguns quadros dessa síndrome são referentes a outros estímulos sensoriais, como por exemplo, térmicos ou táteis. Um paciente pode, a partir de uma pequena estimulação, começar a sentir uma ardência pelo corpo, tais alterações sensoriais são desagradáveis e dificilmente caracterizadas pelos pacientes.

Na literatura aparecem casos de pacientes que já não podiam ouvir músicas ou sons muito altos, pois estes terminavam por desencadear um efeito onde novamente sensações desagradáveis por metade do corpo surgiam. A explicação para esse efeito intenso pode ser entendido como fruto de alterações nos mecanismos e circuitos intratalâmicos ou tálamo-corticais, enquanto os outros permaneceriam intactos. Tentativas de tratamento da síndrome talâmica por cirurgia têm sido bem sucedidas.

O tálamo se encontra então em posição peculiar no caminho que leva à nossa compreensão do mundo, embora pouco conhecido e citado em meios que não os científicos, seus aspectos de organização, tradução e interpretação de sensações são fundamentais para a completude dos processos que levam as mínimas alterações ambientais à percepção consciente. Além disso, deve-se ao tálamo a triagem diligente de muitos dos estímulos sensoriais, selecionando quais devem seguir para o córtex e quais poderão ser esquecidos, assim, nem tudo que é sentido é, por fim, percebido. Enquanto lê esse texto, o seu tálamo ativamente seleciona informações importantes acerca das cores da página, dos sons ouvidos ao fundo, entre outros estímulos, a sua secretária está ativamente ajustando a compreensão do mundo ao seu redor, então, na próxima vez em que pensar sobre como você está se sentindo, lembre-se, o tálamo sentiu primeiro.


ResearchBlogging.orgHerrero, M., Barcia, C., & Navarro, J. (2002). Functional anatomy of thalamus and basal ganglia Child's Nervous System, 18 (8), 386-404 DOI: 10.1007/s00381-002-0604-1


17 comentários:

Vanessa Alcalai disse...

Olá, Meu nome é Vanessa e ela teve uma esquemia dia 18 de novembro de 2011 e de lá para cá sente dores horríveis em em lado do corpo. Nos exames apareceram uma pequena lesão abaixo do tálamo, mas mesmo assim ela diz ter dores horríveis. Eu percebo que quanto mais ela fica nervosa, mais sente dor e durante a noite que ela está mais relaxada, dorme super bem sem dor. O que nós precisamos fazer. Ela vai sentir esta dor para sempre ou tem cura? Meu e-mail é vanessaalcalai@gmail.com

Marcus Vinicius Alves disse...

Olá Vanessa, te enviarei um e-mail.

Anônimo disse...

Boa Tarde,

Uma patologia no tálamo pode impedir uma pessoa de acordar do coma ?

Um familiar meu encontra-se assim...

Peço que me enviem um email para nuno.aleman.serrano@sapo.pt com uma resposta.

Muito Obrigado.

Anônimo disse...

Tenho um parente que sofreu um avc na região do talamo, no momento esta estavel porem o estado dele esta agressivo,e inicio de pneumunia isto é normal.
Solicito a gentileza de me informar através do e mail marcomscm@gmail.com

Grato

Samantha FERRARESSO disse...

Gostaria de saber sobre o que pode vir há ocorrer com um paciente com volumosa quantidade de sangue e núcleos da base direita na região do talamo medindo 4,2 x 3,0 cm associada a efeito de massa contralateral, condicionando dilatação dos cornos temporais dos ventrículos laterais. Há hemoventriculo em III e IV e ventriculos laterais. Ela já se encontra a 13 dias em coma. Seu quadro clinico pelo que nos dizem esta normal.

Por favor me responda:

samanthaferraresso@gmail.com

Desde já muito Obrigada!
Samantha

Anônimo disse...

tenho tremor essencial tomei propanolol e não resolveu em nada será que tenho que fazer uma cirurgia no tálamo. meu imail é josemirpsantos@hotmail.com

Alessandra Melquiades disse...

Ola!! Minha mae teve um AVC no tálamo e por possuir uma única artéria que irrigasse os dois lados, foi bem comprometido. Ela segue alterando com abrir os olhos e dormir e uma febre que nunca cessa. Um lado do corpo esta paralisado e o lado direito ela move. Os médicos dizem que a lesão e muito grave e não podem dar muitas previsões. Ate que ponto o cérebro e capaz de se reorganizar nesse caso? Eles dizem que ela pode ficar nesse estado de vigília vegetativa para sempre, ha algum tipo de reabilitação num caso grave? Obrigada

Roberta Guz disse...

Por favor, minha mãe sofreu um avci extenso em nov/2014, com 50 anos (devido a oclusão da carótida esquerda) tem de sequela paralisia do lado direito do corpo e afasia (escrita e fala). Desde o acidente mesmo sem conseguir se comunicar sempre chorou de dor, a primeira palavra q ela falou foi dor e infelizmente dentre as poucas essa é a mais falada.
Durante todo esse tempo, a neuro tentou diversos remédios, porém sem sucesso, até q nos encaminhou para especialista. Neste mês (Set/2016), conseguimos passar no especialista da dor, onde identificou q o avc dela afetou o tálamo, já iniciamos o tratamento por medicação, ainda não tivemos nenhuma alteração.
Mas estamos com fé que dessa vez vai melhorar, enfim, foi diagnosticada o motivo dessa dor insuportável, q infelizmente incapacita nossas vidas, muito mais do que as sequelas deixadas pelo avc.
Se tiverem mais alguma informação, por favor, envie para o meu e-mail: robertaguz@hotmail.com

simone costa de carvalho disse...

Meu nome é Simone tenho 36 anos,tive dois avc isquemico e a região talamica foi atingida,tenho fortes dores acompanhadas com queimação horríveis na cabeça,durmo e acordo com dores,meus avc foram no final do mês de agosto desde ano 2016,desde então não sei o q e viver sem dores,a dor é tanta q minha vontade é bater a cabeça na parede.

simone costa de carvalho disse...

Meu nome é Simone tenho 36 anos,tive dois avc isquemico e a região talamica foi atingida,tenho fortes dores acompanhadas com queimação horríveis na cabeça,durmo e acordo com dores,meus avc foram no final do mês de agosto desde ano 2016,desde então não sei o q e viver sem dores,a dor é tanta q minha vontade é bater a cabeça na parede.

Helen Katerine Buck disse...

Olá Simone! Quanto tempo faz que você teve AVC ? Ficou com sequelas? Quanto tempo demorou para recuperar todos os movimentos? Meu tio teve um AVC na região do tálamo também é esta alternando entre dormir e conversar... não sabemos muitas informações ainda mas queria sabe a opinião de uma pessoa que já passou por essa situação! Obrigada!

Unknown disse...

Minha filha de 6 anos teve AVC isquêmico no cerebelo. Há 1 mês tem reclamado de uma dor de cabeça leve . Será q ela tem este problema. Tem cura ? Por favor me respondam. Meu email é brunomarianobhl@yahoo.com

Gabriela Gioranelli disse...

Olá , como Foi sua recuperação
Conseguiu recuperar ?

Pq estou com caso desses

Gabriela Gioranelli disse...

Olá ! Seu tio já acordou , já fala ??

Ednilson Francisco disse...

Olá,tenho dores em algumas áreas do lado esquerdo à
9 anos. Às vezes também tenho Sensações rápidas de que foi picado por algum inseto. Também tenho muita dificuldade para dormir. .Tentei vários tipos de tratamento, hoje tento tratamento como dor crônica no entanto nada tira essas dores... Tem algum exame que possa detectar problemas dessa natureza? conhece algum profissional em Campinas ou São Paulo que possa me ajudar com isso?
Obs:Seria de grande ajuda pois às vezes quase enlouqueço com essas dores.

Anônimo disse...

Meu pai tem sofrido muito com dor apos um avc. Fomos varias vezes ao neuro porém nenhuma medicação consegue acabar com a dor em um dos lados do corpo. Não sei mais o que fazer pois ele levanta reclamando de dor e deita reclamando também é angustiante. edvaniasantos69@gmail.com

Rita disse...

Meu pai teve um AVC dia 03/07/2017, tem sofrido muito com dores apos avc. Foi diagnosticado com dor talamica, Fomos ao neuro porém nenhuma medicação consegue acabar com a dor em todos os lugares do corpo. Não sei mais o que fazer pois ele levanta reclamando de dor e deita reclamando isso é angustiante. Não conseguimos movimenta-lo para que o lado paralisado nao termine congelando as articulações. O que fazer nesses casos? Realmente é dor? Podemos movimenta-lo sem que o machuque mais? ritabertotto883@gmail.com

Postar um comentário

Subscribe